Destaques

Delações da Odebrecht podem provocar saída de partidos da base aliada do Governo Temer





Foto: Agência PT.
Partidos da base aliada ao governo de Michel Temer já cogitam a possibilidade de abandonar a base de apoio, após a publicação das delações premiadas dos executivos da Odebrecht.

A notícia foi divulgada pelo coluna Painel, da Folha de S. Paulo, acrescentando que as queixas contra o Palácio do Planalto já se assemelham ao período anterior do impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff.


Segundo a Folha, nem mesmo os mais fiéis apoiadores do peemedebista apostam na melhora do ambiente político após a cúpula palaciana, incluindo Temer, ser alvejada pelas revelações de que foi beneficiária de pagamentos ilícitos realizados pela empreiteira.

Tucanos de peso como o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, preferem o distanciamento do Governo Temer, com medo dos escândalos envolverem o PSDB.

Foto: Agência Brasil


O presidente Michel Temer convocou para a noite deste domingo (11) uma reunião de emergência com os principais ministros e líderes da base para avaliar os impactos da delação de Cláudio Melo Filho, da Odebrecht, que cita Temer e figuras proeminentes do governo como beneficiárias de propinas pagas pela empreiteira (veja aqui).

De acordo com o Blog do Moreno, de O Globo, o encontro também é uma forma de mostrar ao país que o governo não será paralisado. "Temos coisas importantes a votar nos próximos dias, como a LDO e o segundo turno do Teto dos Gastos e o governo e o país não podem parar por conta de delações ainda não homologadas pela Justiça”, afirmou o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, um dos citados na delação.



(Com informações do Bahia Notícias).