Breaking News

"Uma organização criminosa atuava na Prefeitura de Luís Eduardo", diz o Prefeito Oziel Oliveira


Foto: Mural do Oeste

O prefeito de Luís Eduardo Magalhães, Oziel Oliveira, disse em entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira, 13, que uma organização criminosa atuou na Prefeitura de LEM nos últimos 8 anos. Para comprovar o que disse Oziel exibiu para imprensa uma pilha de cheques que foram encontrados em uma gaveta, já assinados a disposição dos recebedores. Estes cheques não tinham documentos comprobatórios da prestação de serviços e nem o devido processo legal para pagamento. Ele acredita que a prática era corriqueira e sistêmica na gestão passada. "Primeiro se fabricava os cheques e depois é que saiam atrás das assinaturas numa ação irregular e feita ao arrepio da lei. Isso é grave e nós vamos tomar as providências" disse o prefeito. Consta inclusive um cheque nominal a um secretário de alto coturno e muito influente no governo passado. A notícia caiu como uma bomba e surpreendeu a população de Luís Eduardo já sendo um dos assuntos mais comentados nas redes sociais, nas esquinas da cidade e se avoluma por todo o Oeste Baiano. 

Ainda sobre o esquema, acredita-se que poderia existir uma combinação do governo anterior com algum servidor que ficaria encarregado de fazer os pagamentos dos cheques emitidos. Só que no meio do caminho, quase que por acaso, o próprio prefeito Oziel Oliveira, ao ver circular pelos corredores da Prefeitura antigos fornecedores, suspeitou de que algo estava errado e ao investigar descobriu em uma gaveta a pilha de cheques e imediatamente suspendeu qualquer pagamento e já começou a tomar as medidas para apurar os fatos. "Nunca imaginei que algo desta natureza pudesse acontecer. Acho que é uma prática inédita no serviço público, uma nova modalidade de corrupção" frisou Oziel.

Fora isso Oziel encontrou uma dívida da ordem de 100 milhões de reais, destes, 30 milhões correspondem a INSS em atraso, mais de 30 milhões de dívidas bancárias entre outros. Por conta deste cenário já foram bloqueados do FPM mais de 744 mil reais. "Este dinheiro daria para darmos entrada em uma usina de asfalto que é uma das principais demandas para infra-estrutura de nossa cidade" explicou Oziel.


O novo prefeito não conteve a indignação ao se deparar com obras inacabadas, sujeira por toda a cidade, buraqueira e lamaçal. Um dos quadros que mais o estarrece é a situação das ambulâncias quase todas danificadas e algumas inclusive sem os motores. "Tem duas ambulâncias que ficaram abandonadas na rodovia de Salvador por não ter condições de rodar. Isso é um verdadeiro absurdo."

Oziel encontrou também os postos médicos sem condições de atendimento e praticamente fechados.

"Uma das situação que mais me tocou foi ter encontrado em um posto de saúde uma senhora que estava há mais de 30 dias com fratura no fêmur e sem ter atendimento. Imediatamente tomei as providências para socorrer aquela senhora. Sabe-se que os repasses da saúde foram feitos e por quais razão não foram aplicados? Para onde foi este dinheiro? " Perguntou o gestor e emendou: "Foi por causa destes esquemas que todos eles se uniram para tentar me derrotar".

O quadro financeiro é tão caótico que o município está inadimplente e impossibilitado de ter certidões e fazer a captação de recursos nos órgãos estaduais e federais. Segundo Oziel são graves as irregularidades com o INSS, já que ex-prefeito teria praticado pedaladas fiscais deixando de pagar o INSS da forma correta e ainda sonegou informações nos últimos dois meses da gestão.

O gestor denunciou ainda que encontrou uma folha inchada em cerca de mais de 7 milhões de reais. Ele afirmou que já enxugou a máquina e que a Prefeitura trabalhará com o contingente necessário para uma gestão eficiente.

O prefeito adiantou que fará uma análise de todos os contratos da gestão passada e avaliará cada caso para decidir juridicamente como proceder. Já no final da entrevista o prefeito convidou a imprensa para conhecer o local onde ficava a famosa "portas dos fundos" do gabinete, por onde, segundo ele, o ex-prefeito Humberto Santa Cruz saia escondido para não ter contato com a população mais humilde. "Um dos meus primeiros atos foi mandar fechar esta porta. No nosso governo vai ser diferente. Aqui nós não vamos sair pela porta dos fundos. Vamos conversar com o povo. A população será ouvida nas decisões que vamos tomar. Não fugiremos em momento algum do contato com a população de Luís Eduardo. Nosso governo será um governo de portas abertas para o povo" finalizou o gestor.