Breaking News

Sem telhado há dois meses, objetos de escola se "perdem" na chuva e início do ano letivo atrasa no oeste da Bahia


Foto: imagem Tv Oeste

Uma escola localizada na zona rural de Barreiras, no oeste da Bahia, está destelhada há cerca de dois meses por conta de uma reforma no local que ainda não foi concluída. Quando chove, os móveis que foram deixados na escola ficam molhados e estão estragando. O mesmo acontece com aparelhos de ar-condicionado que estavam novos, mas também estão se deteriorando com o tempo, principalmente quando chove. 

O piso novo que foi colocado no ano passado na Escola Municipal de Primeiro Grau do Povoado de Tatu, está quebrando aos poucos. Além desses problemas, a obra da quadra da escola, que custou cerca de R$ 451 mil e foram iniciadas em 2016, ainda não foram concluídas. O prazo de entrega da obra era em 2016 e até então nem sinal de construção. 

Foto: imagem Tv Oeste

Material de construção espalhado na área onde seria quadra esportiva toda alagada em Barreiras, no oeste da Bahia (Foto: Reprodução/TV Oeste) 

A Secretaria de Educação de Barreiras disse que havia risco do telhado desabar sobre os estudantes, por isso, foi iniciada a reforma. Entretanto, a secretaria não detalhou sobre as obras da quadra. 

"Ao fazer o retelhamento daquela escolha percebeu-se que toda a madeira estava condenada, então foi necessário fazer uma intervenção emergencial. A previsão que nós demos [de conclusão] foi no dia 12 de março", explicou a secretária, Cátia Alencar. 

Foto: imagem Tv Oeste

Os pais dos 115 estudantes que estão matriculados na unidade de ensino ficam preocupados com a situação, principalmente porque as aulas eram para começar no dia 19 de fevereiro e até o momento não têm previsão de iniciar. 

"Não estamos aqui para fazer baderna, nem para atacar ninguém, a gente quer uma solução porque nós queremos ver nossos filhos estudando novamente", disse Moisés Borges, pai de um dos alunos. 

A obra da quadra da escola e o custo dela também são preocupações dos pais dos alunos da Escola Municipal de Primeiro Grau do Povoado de Tatu. 

"Agora vai ter que investir muito mais, porque o que fez está praticamente perdido e além de perdido, está muito perigoso", disse Rafael Cruz, pai de outro estudante. 


Outro caso 

Foto: imagem Tv Oeste
Já na Escola Municipal Abílio Farias, no povoado de Mucambo, também em Barreiras, as aulas começaram mesmo com o prédio precisando de reparos. Em algumas salas a porta está destruída, a madeira está velha e com risco de cair. 

Além disso, nos fundos da escola há telhas jogadas, blocos, um amontoado de cadeiras e muito lixo. A preocupação maior são os pneus cheios de água, criatórios perfeitos para o aedes aegypti. A obra da biblioteca da escola, que começou há dois anos, ainda não foi concluída. 

Com relação aos problemas mostrados na Escola Municipal Abílio Farias, a secretaria disse que um planejamento está sendo elaborado para remanejar os alunos para outra escola e iniciar uma reforma na unidade de ensino.

  G1 Bahia