Breaking News

Bahia: Oeste bate recorde com produção de 6 milhões de toneladas de soja


Foto: TV Oeste

Os municípios produtores de soja na região oeste da Bahia estão comemorando uma safra recorde. A colheita feita entre os meses de março e abril deste ano garantiram uma média de 62 sacas por hectare, o que representa a conquista de 6 milhões de toneladas de grãos. 

Em entrevista ao G1, o engenheiro agrônomo e assessor de agronegócio da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Luiz Stahlke, disse que se trata de um recorde de produtividade do ponto de vista nacional. Embora não tenha dados oficiais, considera que a colheita também deve figurar entre as maiores do mundo. 


Stahlke conta que a melhor safra já registrada na região tinha sido entre os anos de 2010 e 2011, quando foram colhidas 56 sacas por hectare. Em 2017, os produtores conquistaram 54 sacas.

A colheita envolve nove municípios que se destacam na produção de soja na região oeste da Bahia. São eles: Barreiras, Luís Eduardo Magalhães, São Desidério, Formosa do Rio Preto, Riachão das Neves, Correntina, Jaborandi, Cocos e Bainópolis. 

Segundo dados da Aiba, 60% da produção desses municípios é destinada para países aisáticos e 40% para abastecer os mercados do norte/nordeste.


Sem 'veranico'

Stahlke afirma que os bons resultados têm a ver com a distribuição das chuvas na região durante o período de plantio e colheita, que vai de outubro a abril. Ele acrescenta que, diferentemente dos últimos anos, não houve prolongamento de dias de sol no período chuvoso. 

"Por anos [no período chuvoso], chegamos a ficar de 30 a 40 dias sem chuva. Esse ano, a gente não teve esse problema", conta. 


Ao G1, a meteorologista Claudia Valéria, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), contou que essa pausa no período chuvoso é conhecida como "veranico". "[O fenômeno] ocorre quando dentro do período chuvoso da região, aquele que tem frequência de chuvas elevadas, você tem uma sequência dias de sol". 

A meteorologista explica, entretanto, que o "veranico" costuma ter uma duração que varia entre sete e 15 dias. 

Para além da ausência do "veranico" no período de plantio e colheita deste ano, Stahlke explica que os investimentos dos produtores da fertilidade do solo também foram determinantes para os bons resultados. Entre 2017 e 2018, a área de plantação chegou a 1,6 milhão de hectare. "Para nós, é a maior área plantada da história".

  G1 Bahia