Breaking News

Filhos e netos de homens fumantes podem apresentar déficit cognitivo



ClarkandCompany/Istock



Não é de hoje que os médicos advertem sobre os malefícios do cigarro a longo prazo, principalmente aos fumantes passivos. Agora, um novo estudo publicado na PLOS Biology sugere que exposição à nicotina em homens pode levar a déficits cognitivos em seus filhos e netos.

Os cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual da Flórida (EUA) descobriram que as mudanças no esperma do pai atribuídas à nicotina levaram a problemas em genes que desempenham um papel na memória e na aprendizagem.

A exposição à nicotina para mulheres é reconhecida como um fator de risco significativo para transtornos comportamentais, como o TDAH (transtorno. Com os homens, não há evidências suficientes para separar os fatores de risco genéticos das influências ambientais.



Para a pesquisa, a equipe expôs camundongos machos à baixa dose de nicotina em sua água potável durante o estágio de desenvolvimento, quando eles estão produzindo espermatozoides. Os camundongos foram então criados com camundongos fêmeas nunca expostos à nicotina.

Embora os pais apresentassem tendências comportamentais normais, tanto a prole masculina quanto a feminina exibiam hiperatividade, déficit de atenção e inflexibilidade cognitiva.

"Ao analisar os espermatozoides do pai, encontramos vários genes com alterações epigenéticas. Isso inclui o gene da dopamina D2, que tem um papel importante no desenvolvimento e aprendizado do cérebro. Essa é a provável fonte dos déficits cognitivos encontrados em seus descendentes", concluiu Deirdre McCarthy, co-autora do estudo.

  UOL Viva Bem