Breaking News

Empresa que espalhou fake news pró-Bolsonaro usou dados sigilosos da Câmara



Untitled-5.jpg



A AM4, a agência ligada aos disparos em massa de WhatsApp na campanha de Jair Bolsonaro, era também dona de um contrato com a Câmara em 2016. Foi uma licitação ganha nos tempos em que Eduardo Cunha era o seu presidente. Beleza.

O contrato, para fazer um diagnóstico do portal da Câmara, tinha uma cláusula curiosa. Concedia à AM4 — que participou do edital por meio de uma de suas controladas, a Ingresso Total — o direito de "tomar conhecimento de informações sigilosas ou de uso restrito da Câmara".

Um desses dados secretos era o cadastro de 2,5 milhões de pessoas que interagiam com o portal.

Lauro Jardim/Jornal O Globo



Nenhum comentário

Os comentários publicados não representam o pensamento ou ideologia do Portal Lapa Oeste, sendo de inteira responsabilidade dos seus autores.