Breaking News

Bahia: 1/3 população não estuda, não trabalha e não faz faculdade








A Bahia tem o segundo pior índice de adultos com ensino superior completo no Brasil. Segundo dados divulgados nesta quarta-feira (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas 1 em cada 10 adultos baianos (10,1%) concluiu o terceiro grau em 2018. Com esse percentual, a Bahia ficou acima apenas do Maranhão, onde só 8,6% dos adultos terminaram a faculdade. A taxa do estado ficou abaixo da média nacional, de 16,5% das pessoas de 25 anos ou mais de idade com curso superior completo em 2018. 

No estado, o percentual de adultos com nível superior praticamente não mudou entre 2017 (9,9%) e 2018 (10,1%). Nesse período, o estado foi ultrapassado por Alagoas (de 8,4% em 2017 para 10,3% em 2018) e Pará (de 9,1% para 10,7%).




Aliado a isso, a Bahia tem outro dado preocupante, na avaliação de especialistas: o percentual de pessoas de 15 a 29 anos de idade que não estavam estudando e nem trabalhavam avançou pelo segundo ano consecutivo e chegou a 28,2% em 2018 - quase um milhão de pessoas nessa situação (962 mil). 

Para além da educação, os resultados revelados pela Pesquisa Anual por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-Contínua) apontam para um futuro preocupante da juventude baiana. Hoje, um terço da população do estado não estuda, não trabalha e ainda tem acesso limitado ao ensino superior. 




Ele cita os casos de Israel e Coreia do Sul, países que passaram por um ciclo curto de desenvolvimento e hoje se destacam em inovação tecnológica. “São países que têm mais de 50% da população com ensino superior. Isso é importante porque estamos vivendo grandes transformações tecnológicas e isso vai se acelerar muito nos próximos anos, a chamada sociedade 5.0, amplamente conectada. O Brasil precisa de uma massa populacional preparada para essas transformações”, ressalta. 

Nogueira pontua ainda que a tecnologia está em franca expansão e não se relaciona apenas com as engenharias, mas entra em áreas como Direito, Medicina e Ciências Sociais. “Nos EUA, as Ciências Sociais já estão estudando a relação de humanos e robôs. Na Universidade de Illinois, cursos de Medicina estão sendo integrados com Engenharia”, conta. 




Razões

O estudante de Jornalismo Cássio Moreira, 21 anos, enfrenta essa realidade. No quinto semestre em uma instituição privada de Salvador, ele precisou trancar o curso: “Tive que sair do estágio, que era uma fonte de renda, e meu pai sofreu um acidente, tive que cuidar dele. Fiquei apertado e tive que trancar”.



Cássio espera voltar ainda este ano, mas não esconde a preocupação. “Tem sido bastante difícil com esses cortes e contingenciamentos, o que prejudica o acesso às instituições públicas. As instituições particulares não oferecem alternativas nem condições para que os estudantes possam permanecer”, diz.

Embora, na Bahia, o número de pessoas que terminaram o ensino superior seja o segundo pior do país, a realidade do estado não difere muito do resto do Brasil. A coordenadora de projetos do Todos Pela Educação, Thaiane Pereira, diz que o percentual de pessoas jovens que não trabalham nem estudam preocupa. No Brasil, em 2018, eram 23% daqueles com idades entre 15 a 29 anos. 




Desigualdades

Thaiane afirma que este cenário é reflexo da realidade do país de desigualdades sociais. Na Bahia, a taxa de pessoas com ensino superior completo entre a população branca foi de 17,9%. Entre negros e pardos, o número cai pela metade (8,4% deste grupo).

Além disso, os maiores índices estão nas regiões Sul e Sudeste. A taxa de analfabetismo reflete as desigualdades regionais, com as taxas mais elevadas no Nordeste (13,9%) e Norte (8%). No Sudeste, era de 3,5%. Na Bahia, 12,7% das pessoas acima de 15 anos são analfabetas.

“Nível de desigualdade que ainda permanece muito alto e é fruto de um padrão histórico, que vem passando entre as gerações. Essas populações sofrem com maior vulnerabilidade social, com altas taxas de trabalho juvenil, e estão mais dispostas à violênica”, avalia Thaiane.




Início do problema

Outro ponto levantado por ela é quanto à realidade das escolas, o que pode ser observado pelas taxas de evasão. Aos 4 ou 5 anos, quando a educação passa a ser obrigatória, pouco mais de 9 em cada 10 crianças baianas estão na pré-escola: 96,8%. A taxa é a quarta do país e está acima da média nacional (92,4%).

Mas no grupo etário de 11 a 14 anos, a defasagem/abandono escolar já começa a se apresentar. Nessa faixa etária, duas em cada 10 crianças na Bahia (19,9%) já não estão cursando o segundo ciclo do ensino fundamental. Esse percentual mais que dobra entre os de 15 a 17 anos. 




Nessa faixa etária, 44,6% ou já saíram da escola ou ainda não chegaram ao ensino médio. “Isso está relacionado a diversos fatores. Desde uma escola que não faz parte da realidade adequada, até outros fatores relacionados a trabalho, cuidar de alguém, principalmente as mulheres”, afirma. 

Para os especialistas, o caminho passa por mais investimentos, com foco na educação básica e ampliação do acesso ao ensino superior.

  Correio 24 Horas  



Nenhum comentário

Os comentários publicados não representam o pensamento ou ideologia do Portal Lapa Oeste, sendo de inteira responsabilidade dos seus autores.