Breaking News

Terror: ritual de iniciação da milícia do RJ inclui assassinato, esquartejamento e cemitério clandestino



Resultado de imagem para milícia do rio
Foto: reprodução
Por: UOL

A milícia, conjunto de grupos armados que atuam na ilegalidade no Rio de Janeiro, adota um ritual de iniciação para novos membros que inclui sessões de tortura, assassinato, esquartejamento e enterro em cemitérios clandestinos em áreas rurais.



O UOL teve acesso a informações que mostram o batismo de sangue do crime, investigado pela Polícia Civil e pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro). Os dados integram a apuração sobre a expansão dos paramilitares para as cidades da Baixada Fluminense.

Na noite de 18 de junho deste ano, oito homens fortemente armados surpreenderam um grupo de mototaxistas regularizados no Parque Sarandi, em Queimados (RJ).

Segundo as investigações, eles se vestiam e falavam como se fossem policiais. De roupas pretas, toucas ninjas e coletes à prova de balas, adotavam procedimentos semelhantes aos usados por agentes da lei.



Em represália aos profissionais, que se negaram a seguir as determinações da organização criminosa, os milicianos depredaram as motocicletas do grupo. Em seguida, começaram a vasculhar a região para localizar dois alvos.

Invadiram uma casa e se identificaram como policiais para retirar um homem de lá algemado, sob o pretexto de que iriam levá-lo à delegacia da região, onde ele prestaria esclarecimentos.

Ronald Cabral Alvares, que tinha 26 anos, foi acusado pelo grupo de ser usuário de drogas. Na outra abordagem, foram mais violentos: arrastaram Márcio Wagner Alves, 49, a socos e pontapés. O motivo: segundo a milícia, ele teria furtado um pássaro de um integrante do grupo.



Em dois veículos, os milicianos rodaram cerca de sete quilômetros por uma estrada de terra para chegar em um sítio abandonado. O local era usado como cemitério clandestino pelos paramilitares.

Ronald foi morto com um tiro na cabeça. Segundo a Polícia Civil, Márcio acabou sendo assassinado a facadas em um ritual de iniciação para um novo membro do grupo. De acordo com as investigações, o novato também precisou decapitar a vítima para ser batizado como membro da milícia.





NÃO PERCA OS FATOS! Acesse nossa página no Facebook (clique aqui), clique em curtir e receba todo o conteúdo do Portal Lapa Oeste. Contamos com você!





NÃO PERCA OS FATOS! Acesse nossa página no Facebook (clique aqui), clique em curtir e receba todo o conteúdo do Portal Lapa Oeste. Contamos com você!


Nenhum comentário

Os comentários publicados não representam o pensamento ou ideologia do Portal Lapa Oeste, sendo de inteira responsabilidade dos seus autores.