Breaking News

Ministro da Educação suspende retorno das aulas em janeiro e Rui Costa admite ser impossível retorno ainda em 2020, na Bahia





O Ministro da Educação Milton Ribeiro revogou a portaria publicada no Diário Oficial da União, nesta quarta-feira (2), que determinava o retorno das aulas presenciais em universidades federais a partir de 4 de janeiro de 2020, de acordo com informações divulgadas pelo Estadão.



O Ministro justificou a decisão com a repercussão negativa que a portaria obteve na imprensa e no meio acadêmico, além da falta de estrutura que ofereça segurança contra o contágio pelo novo coronavírus.

Milton Ribeiro afirmou em entrevista à CNN que fará consultas públicas com o pessoal envolvido nos trabalhos acadêmicos e buscará meios que resolveu o problema da falta de estrutura e planejamento do retorno das aulas presenciais.

De acordo com o Estadão, no meio político, fontes afirmam que a portaria foi uma maneira de Ribeiro chamar a atenção para uma pauta ideológica, de abertura das universidades, para minimizar a pandemia no novo coronavírus, algo defendido pelo presidente Jair Bolsonaro. Com a repercussão negativa, ele acabou recuando.



O jornal acrescenta que a portaria do Ministério provocaria uma onda de ações judiciais, baseadas na autonomia que as universidades possuem e na decisão do STF que transferiu aos governos locais, o poder de decisão sobre medidas sanitárias de enfrentamento à pandemia.

O Brasil tem atualmente 8,6 milhões de estudantes no ensino superior e 6,5 deles estão em universidades privadas. Mais de 1 milhão de alunos cursam instituições federais e o restante está em outras públicas, municipais ou estaduais, pontuou o Estadão.

Bahia

O Governador Rui Costa admitiu publicamente, pela primeira vez, a impossibilidade de retorno das aulas presenciais na rede estadual de ensino, ainda em 2020. A declaração ocorreu durante entrevista ao Bahia Notícias.



O governo adotou a estratégia de prorrogar a retomada das aulas presenciais, por meio de portarias renovadas, geralmente, a cada 15 dias. A última publicação manteve a suspensão até do dia 16 de dezembro.

Segundo Rui, o retorno durante o período de Natal e Réveillon "não faz sentido". O novo aumento do número de casos de coronavírus, impulsionado pelas aglomerações em festas e campanhas políticas, prejudicou os planos de retorno das aulas. "Espero que durante esse mês de dezembro a gente possa voltar a ver o recuo da doença e, eventualmente, voltar no início do ano", informou o Bahia Notícias.

Nenhum comentário

Os comentários publicados não representam o pensamento ou ideologia do Portal Lapa Oeste, sendo de inteira responsabilidade dos seus autores.